A indústria de viagens está testemunhando um verão movimentado, com os americanos aproveitando voos e gasolina mais baratos. No entanto, a perspectiva para as feiras de negócios de 2024 é mista, refletindo as experiências variadas dos consumidores americanos.

Consumidores mais ricos, beneficiando-se de um mercado de ações robusto e do aumento do valor dos imóveis, têm maior flexibilidade financeira. Apesar da inflação recente, eles têm alternativas para evitar preços altos, como optar por marcas genéricas.

Por outro lado, famílias de renda mais baixa enfrentam maiores desafios com preços altos. Embora o mercado de trabalho permaneça forte, sinais de tensão econômica estão surgindo entre os americanos de renda mais baixa, com crescente falta de confiabilidade dos cartões de crédito e menor confiança nas finanças pessoais. Empresas que atendem a esse grupo também relatam dificuldades.

A disparidade de renda é evidente durante as viagens de verão. Famílias ricas são mais otimistas e usam serviços como hotéis de luxo, que estão em ascensão. Redes de hotéis econômicos já estão esperando um declínio.

Adam Sacks, presidente de economia do turismo na Oxford Economics, destaca o crescimento do setor de luxo, impulsionado pelas diferentes situações financeiras das faixas de renda.

As tendências de gastos e pesquisas indicam um crescimento moderado, mas saudável, na indústria de viagens em 2024, apesar dos anos de viagens intensas pós-pandemia. As viagens internacionais continuam a crescer, as viagens de lazer domésticas permanecem estáveis ​​e as viagens de negócios estão se recuperando.

Mesmo com os preços das passagens aéreas permanecendo, os aeroportos estão relatando tráfego recorde, e a AAA prevê que as viagens de 4 de julho terão desempenho superior ao do ano passado. Joshua Friedlander, da US Travel Association, considera esse nível de crescimento sustentável.

No entanto, essa resiliência varia entre os grupos de renda. O Federal Reserve Bank of Richmond observou que os gastos com viagens são impulsionados por consumidores de renda discricionária, enquanto consumidores de renda baixa e moderada estão cortando gastos devido aos altos custos.

Pessoas de renda mais alta gastam significativamente mais em viagens do que pessoas de renda mais baixa, uma tendência que pode ser exacerbada pelas recentes condições econômicas. Lashonda Barber, uma funcionária do aeroporto em Charlotte, exemplifica essa realidade. Ganhando US$ 19 por hora, ela enfrenta dificuldades financeiras e não planeja férias.

Por outro lado, Parker Hess, diretor de quartos de um hotel de luxo no Oregon, vê o negócio crescendo, com as tarifas dos quartos aumentando e os clientes não se preocupando com os preços.

As tarifas de hotéis devem se dividir este ano, com hotéis de serviço completo como Marriott e Sheraton crescendo enquanto hotéis econômicos enfrentam a mesma tendência. Jan Freitag, do CoStar Group, prevê que os consumidores de renda mais baixa estão priorizando as necessidades básicas em vez dos desejos, afetando suas escolhas de viagem.

Pesquisa do Bank of America Institute mostra que mais famílias com renda abaixo de US$ 75.000 não planejam viajar este ano em comparação com anos anteriores, indicando maior cautela financeira. No entanto, dados de cartão de crédito e débito ainda mostram gastos contínuos entre consumidores de baixa renda.

A demanda de consumidores mais ricos pode ser suficiente para sustentar um forte desempenho durante a temporada de viagens, impulsionando a economia geral dos EUA. Viagens domésticas aumentam o crescimento econômico, enquanto viagens internacionais aumentam a confiança do consumidor.

Em um voo de Paris para Washington, Erica Reasoner retornou de duas semanas na Itália e na França com sua família. Moradora de Denver, ela notou preços mais altos, mas a inflação não teve impacto em seu orçamento. Para ela, o estado da economia não influenciou a decisão de viajar, embora ela admita que nem todos estão no mesmo barco.